María de las Mercedes Reynolds de Miguel

 

R-9.04.- MARÍA DE LAS MERCEDES REYNOLDS DE MIGUEL nasceu em Badajoz no ano 1915, filha de Gloria de Miguel Martinez e Carlos João Reynolds Esteban.

Mercedes foi Espanhola por naturalidade, Portuguesa pelo casamento e readquiriu a cidadania Espanhola pela viuvez.

Todavia nunca alterou minimamente a sua personalidade, bem evidente, nem os seus hábitos de raiz.

 

AVÓS PATERNOS DE MERCEDES E FAMILIA

 

 

 

Da Esquerda para direita – Roberto Reynolds Esteban ( Tio ), Matilde Reynolds Esteban (Tia), João Reynolds Esteban (Tio), José Reynolds Esteban (Tio), Roberto Rafael Reynolds Pérez-Montalvo (Avô), Rita Esteban Torres (Avó), Carlos João Reynolds Esteban (Pai)

Foto do fim do SEC XIX

 

Carlos João Reynolds Esteban, pai de Mercedes.

 

Esta foto foi realizada no ano de 1957, próximo do fim da sua vida.

Carlos João Reynolds Esteban teve originalmente nacionalidade inglesa, alias muito tradicional e sempre evidenciou um caracter muito forte, destemido, racional e sensato.

Estudou e viveu em Inglaterra, em Espanha, na Alemanha e em França e só mais tarde adquiriu a cidadania Portuguesa – certamente por razões de afeição e de conveniência. ( Ver 9ª geração REYNOLDS DE MIGUEL )

Dominou fluentemente os idiomas Espanhol, Inglês, Português, Alemão e Francês e sempre manteve um virtuosismo musical notável.

Conservou residências em Estremoz e em Badajoz e foi pessoa de enorme consideração e estima.

 

AVÓS MATERNOS DE MERCEDES E FAMILIA

 

Maria Martinez Jugo (Avó Materna), Gloria de Miguel Martínez (Mãe), Carlos Reynolds Esteban (Pai), Maria de las Mercedes Reynolds de Miguel (A própria), Gloria Reynolds de Miguel (Irmã) e Regino de Miguel Guerra (Avô materno).

Foto com data estimada de 1925

 

Regino de Miguel Guerra, avô materno de Mercedes, foi médico cirurgião muito conceituado, tendo praticado as primeiras "Grandes cirurgias" do seu tempo, segundo desenvolvimentos científicos e técnicas então avançadas.

Participou na construção e gestão do primeiro Hospital de Badajoz, Instituição que ainda hoje (Ano 2012) o homenageia em sede própria com a manutenção do seu busto , quase centenário.

Comparticipou de forma importante na vida cultural e intelectual da Província da Extremadura Espanhola.

 

Casa de abuela Maria – Vida quotidiana – "O quarto de costura".

Da esquerda para a direita – Maria Reynolds de Miguel (Irmã), Mercedes Reynolds de Miguel (A própria), Afonso Martinez (Tio Avô), Maria Martinez Jugo (Avó materna), Gloria Reynolds de Miguel (Irmã) e Regino de Miguel Guerra (Avô materno)

Foto com data estimada de 1932

Atras e de pé encontra-se Alfonso Martinez, tio Avô de Mercedes, o qual foi notário de muito prestigio em Madrid, onde alias exerceu também influencia intelectual relevante.

 

MEMORIAS JUVENIS DE MERCEDES

 

Após a guerra civil Espanhola, Gloria de Miguel Martinez e Carlos João Reynolds Esteban tiveram a sua residência principal em Badajoz, na praça de Espanha, frente à Catedral.

O imóvel de grandes dimensões ocupava quase um quarteirão e datava de meados do SEC. XIX.

Não possuímos documentação gráfica do mesmo, que foi também interessante pela arquitectura característica da época.

Durante décadas e gerações, também aqui se interligaram sensibilidades originais Inglesas, Portuguesas e Espanholas, que no seu conjunto ajudaram a caracterizar este ramo da família.

Apesar da evolução dos tempos, ainda hoje (Ano de 2.012) se evidenciam ecos desses princípios e valores.

Gloria de Miguel Martinez possuía uma cultura vasta e um requintadíssimo sentido artístico e social.

Em meados da década de 40 do SEC XX, encomendou à fabrica VISTA ALEGRE na Marinha Grande em Portugal um enorme serviço de louças de desenho exclusivo, executado primorosamente à mão, com requinte e valor artístico de referencia.

Foi usado correntemente em inúmeras datas festivas familiares.

Constava de peças para cerca de sessenta comensais.

Em memória dos já falecidos, e para o conhecimento e aculturação dos vindouros, editamos foto de uma das peças remanescentes desse acervo:

 

Carlos João Reynolds Esteban – Gloria de Miguel Martinez

 

Do mais antigo para o mais novo: Gloria, Carlos, Manuel, Mercedes, Roberto, e José nos braços da babá.

 

José, sentado ao lado de sua irmã Glória. Em pé Carlos e Mercedes.

 

Carlos João Reynolds Esteban , Pai de Mercedes , incentivava os filhos e especialmente as filhas para que manejassem armas com destreza.

 

Mercedes durante uma caçada.

 

Mercedes com o seu cabritinho.

 

Casamento - Capela do monte D. João em 1937.

 

Capela do monte D. João

 

O monte do D. João foi a herdade mais emblemática da casa agrícola de Carlos João Reynolds Esteban, na qual durante muitas gerações se manteve uma comunidade fixa de trabalhadores, com residências permanentes num estilo genuinamente Alentejano e onde alias se facultavam pequenos cuidados e atenções sociais.

Foram tempos de convivência encantadora, de grandes afectos e de lealdades inesquecíveis.

 

Maria de las Mercedes casou-se com Albano Castel Branco Pires Marques, Arquitecto e Engenheiro Civil licenciado pela Universidade de Lausanne – Suíça, sendo este de nacionalidade Portuguesa e natural de Castelo Branco.

 

María de las Mercedes e Albano tiveram seis filhos:

 

-R-9.04.1.- João Carlos Reynolds Pires Marques.

-R-9.04.2.- José Maria Reynolds Pires Marques.

-R-9.04.3.- Maria da Conceiçâo Reynolds Pires Marques.

-R-9.04.4.- Albano Manuel Reynolds Pires Marques.

-R-9.04.5.- Alberto Luís Reynolds Pires Marques.

-R-9.04.6.- Miguel Felipe Reynolds Pires Marques.

 

Maria de las Mercedes Reynolds de Miguel possuía uma inteligência e personalidade marcante e após a morte de Albano foi verdadeiramente o centro da sua família.

Adorava estar rodeada de gente!

Depois de mais de setenta anos de vivencia em Portugal falava uma mistura de Português e Espanhol a que chamávamos "Misto", "Espanhologuês" ou "Portuganhol"

Claro que era motivo de divertidos episódios e das suas alegres e características gargalhadas.

Todavia quando se zangava expressava-se num Castelhano correctíssimo e muito fluente!......

 

Mercedes com os seus netos em Lisboa, 21 de Julho de 1983.

 

A propriedade familiar Quinta da Messejana foi ponto de encontro e local de recordações familiares muito felizes.

A existência de uma capelinha modesta datada do seculo XVI, dedicada ao culto de Nª Sra. da Messejana com grande devoção local, evidenciou um carisma peculiar.

Existem referencias históricas descritas nos registos oficiais da Torre do Tombo em Lisboa.

Dessas memórias consta que o rei Felipe II de Espanha teria ordenado que se dirigisse uma Promessa a Nossa Senhora da Messejana.

A religiosidade e a tradição mantiveram uma crença com o qual Mercedes foi sempre muito solidária, com participações em celebrações de missas, novenas, casamentos, batizados, procissões, romarias etc.

Foi curioso o habito centenário de "Reforçar" o rigor dos pedidos das promessas , colocando no altar figuras de cera – de gravidas, crianças, braços, pernas, cabeças, vacas, burros, cabras etc. etc .....não fosse dar-se o caso de alguma omissão ou engano dos serviços administrativos celestiais.!

 

 

"Recordatórios" em cera das Promessas solicitadas.

 

 

Maria de las Mercedes Reynolds de Miguel a todos recebia com afabilidade, granjeando uma simpatia e estima que ela muito apreciava.

As fotos que a seguir se publicam ilustram um pouco o que se descreve.

 

Parte da família - Quinta da Messejana Agosto de 2001.

 

QUINTA DE NOSSA SENHORA DA MESSEJANA

 

Entrada da Qta. da Messejana.

 

Zona de passagem.

 

Fachada principal.

 

Vista da saída da Qta. da Messejana.

 

 

REFERENCIAS AO CULTO DE NOSSA SENHORA DA MESSEJANA

 

Capela de Nossa Senhora da Messejana.

 

Celebração perante a imagem antiga de Nª Sra. da Messejana.

 

Ampliação da imagem de Nª Sra. da Messejana.

 

 

Fecho musical de fim de festa.

 

 

Em 1984 Mercedes Reynolds de Miguel foi agraciada pela Comissão de Festas das Aldeias vizinhas com uma homenagem e medalha comemorativa, pela sua disponibilidade para todos os eventos que de algum modo envolveram o culto a Nª Sra. da Messejana.

 

 

Mercedes e Albano em Lisboa ano de 1958.

 

Albano Castel Branco Pires Marques em 1968.

 

Quinta da Messejana - Pai Albano rega as suas tílias-Ano de 1961.

 

A família residia habitualmente em Lisboa, mas frequentemente encontrava-se na Messejana situada na Extremadura Portuguesa.

A par de um clima ameno e de um entorno de campo e mar, dispunha de amplos espaços que permitiam o acesso e permanência constante dos filhos, amigos e familiares – alias muito de acordo com o caracter acolhedor, afectuoso e alegre de Mercedes.

Albano foi pessoa de reconhecida competência e de grande e sóbria integridade, que idolatrou a sua família e viveu intensamente a infância e juventude dos seus filhos.

Premonitoriamente afirmava ; "As pessoas viverão enquanto viverem na memória dos vivos"

E assim continua a acontecer – vive enternecidamente na nossa memoria!

Faleceu na “Messejana” com 64 anos a 4 de Outubro de 1969 e Mercedes faleceu na sua casa de Lisboa a 03 de Julho de 2003, com a idade de 87 anos.

 

 

Mercedes Reynolds de Miguel y Pepita Duque.

 

O sorriso de Mercedes – Lisboa 1986

 

Roberto Rafael Reynolds Pérez-Montalvo

Foto com data estimada de 1870

NOTA: No interior da contracapa da foto original, encontrámos uma nota manuscrita por Mercedes Reynolds de Miguel que diz " Abuelo Roberto - Pai do meu Pai ". A inscrição está quase ilegível - foi feita já com dificuldade na fase final da sua vida e atesta a veneração que sentia pelos seus antecessores - aos quais se referia sempre com carinho e saudade.

 

NOTA: Primeira linha em Espanhol e a segunda linha em Português – Típico!

 

 

-R-9.04.1.- João Carlos Reynolds Pires Marques.

 

João Carlos numa recepção no paquete "Infante Santo" em Lisboa 1962.

 

Assessorou empresas fabricantes de sistemas industriais, de equipamentos e de projectos de engenharia, tanto na Europa como em Africa e na China.

No inicio da sua permanência na China João Carlos cultivou estima cordial com o Sr. Cheong Pak, pessoa de cultura milenar e de grande consideração local, o qual mediante "Estudos" complicadíssimos por processos metafísicos e outros, determinava os nomes a atribuir a quem o consultava.

Assim e para efeitos asiáticos passei a chamar-me MA CHEOC PO , utilizando este nome em cartões de visita conforme os usos e costumes locais:

 

O meu estimado amigo Chinês Sr. Cheong Pak, "MESTRE" e Sábio Ancestral.

 

 

Esta foto constituiu particular deferência do MESTRE, que só muito raramente consentia em ser fotografado.

Apenas com entidades particularmente importantes e/ou simpáticas....... e /ou generosas – por esta ordem !!!

 

ATENÇÃO

Na China um cartão de visita entrega-se com as duas mãos e uma ligeira vénia.

Entre pessoas educadas faltar a este preceito constitui "Gafe" de insuportável vergonha, pela qual tive a infelicidade de passar!!!

Nas culturas Asiáticas o conceito de "Vergonha" ainda é muito vivo.......

 

Cartão de visita em chines

 

Mas talvez a minha condição de "Semibárbaro ocidental" tenha merecido alguma comiseração de circunstancia!...

 

João Carlos Reynolds Pires Marques em Lisboa. Ano 1993.

 

No día 3 de  Setembro de 1977 João Carlos casou-se com Maria José de Oliveira Gouveia.

 

Tiveram uma filha :

-- 9.04.1.1.- Elisa Maria Gouveia Reynolds Pires Marques

 

Os primeiros dois anos de Elisa.

Lisboa 1982

 

Elisa Maria no seu primeiro dia "Académico" (Jardim de infância) e a sua Mãe Maria José.

 

 

A Flor Elisa.

Lisboa 1984

 

Elisa Maria Gouveia Reynolds Pires Marques.

 

Elisa Maria Reynolds.

Lisboa. 15/06/2008

 

Durante o seu doutoramento na Universidade "King's College London", Elisa cumprimenta Sua Majestade a Rainha de Inglaterra, Isabel II, - Londres 26 de Fevereiro de 2012.

 

 

 

 

 

Elisa - 2014

 

 

 

Em 12 de fevereiro de 2014 nasceu uma linda menina, filha Elisa.

 

--- 9.04.1.1.1.-

 

 

Elisa com sua filha. Mai 2014

 

Junho 2014

 

 

 

-R-9.04.2.- José Maria Reynolds Pires Marques casou-se com Maria do Carmo Santos.

 

 

José Maria foi Licenciado como Engenheiro Agrónomo pelo ISA – Instituto Superior de Agronomia de Lisboa.

 

José Maria numa reunião familiar em Badajoz no ano 2002.

 

José Maria Reynolds Pires Marques e Maria do Carmo Santos tiveram dois filhos:

--R-9.04.2.1.- Tiago Santos Pires Marques nasceu em 1973.

Foi Licenciado em História pela faculdade de letras da Universidade de Lisboa.

Em 2002, concluiu o mestrado em Sociologia Histórica pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Em 2007 concluiu o doutoramento em História pelo Instituto Universitário Europeu, Florença, com uma dissertação sobre Mussolini´s Nose. A Transnational History of the Penal Code of Fascism.

É investigador em pós-doutoramento.

É investigador do CEHR, do Institut d'Histoire et de Philosophie des Sciences et des Techniques (IHPST - Paris) / École Normale Supérieure, Université de Paris e do Centro de Estudos de Sociologia (CesNova) da Universidade Nova de Lisboa.

É autor do livro Crime e castigo no liberalismo em Portugal (Livros Horizonte, 2005) e editor, em colaboração com Pedro Tavares de Almeida, do livro Lei e Ordem. Justiça Penal, Criminalidade e Polícia. Séculos XIX-XX (Livros Horizonte, 2006).

 

Tiago Pires Marques.

 

 

--R-9.04.2.2.- Marta Santos Pires Marques.

Marta enriquece a sua personalidade bem vincada com uma simpatia afável, inteligente e muito agradável.

Pelo seu caracter forte, dinamismo, formação e capacidades, também se notabilizou como executiva da Industria de Hotelaria, alias com particular valia e apreço.

Foi licenciada em Línguas Estrangeiras pela Universidade Católica Portuguesa.

Realizou pós-graduação na Escola de Hotelaria de Lausanne, com distinção e com especial relevo em gestão Empresarial e Comercial.

 

Marta Pires Marques.

 

 

-R-9.04.3.- Maria da Conceição Reynolds Pires Marques casou-se com António Lúcio Castel Branco da Silveira na propriedade agrícola familiar Quinta da Mesejana .

António Lúcio é advogado, foi licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa e exerceu cargos importantes de natureza jurídica e outras nas Administrações Públicas de Governos Nacionais.

 

Casamento de Maria da Conceição com António Lúcio Castel Branco da Silveira.

 

 

 Ampliação.

 

Casamento de Maria da Conceição com António Lúcio - Quinta da Messejana.

Esquerda para a direita - João Reynolds Esteban (Tio avô), Maria de las Mercedes Reynolds de Miguel(Mãe), Juan Cuellar Grajera (Tio) e Albano Castel Branco Pires Marques (Pai).

 

 

Maria da Conceição Reynolds Pires Marques, ano de 2008.

 

Maria da Conceição Reynolds e seu marido António Lúcio da Silveira num dia de nevoeiro de 2008.

 

 

Maria da Conceição e António Lúcio tiveram quatro filhos:

--R-9.04.3.1.- Sílvia Maria Reynolds Castel Branco da Silveira nasceu em 17 de Dezembro 1967.

Sílvia Maria foi Licenciada em Geografia e Planeamento Regional pela Universidade Nova de Lisboa.

Casou -se com João Sebastião Cunha Matos de Sena Esteves e tiveram três filhos:

---R-9.04.3.1.1.- Henrique Maria Reynolds Castel-Branco da Silveira de Sena Esteves, nascido em 29 de Dezembro de 1996.

---R-9.04.3.1.2.- Maria Reynolds Castel-Branco da Silveira de Sena Esteves, nascida em 08 de Fevereiro de 1999.

---R-9.04.3.1.3.- Gonçalo Maria Reynolds Castel-Branco da Silveira de Sena Esteves, nascido em 19 de Abril de 2001.

 

--R-9.04.3.2.- Maria Mercedes Reynolds Castel Branco da Silveira, nasceu a 22 Janeiro 1969.

Mercedes foi licenciada em Germânicas pela Universidade de Lisboa, estagiou na Alemanha, actualmente exerce como professora do quadro oficial e simultaneamente está a licenciar-se em Direito.

 

 

Mercedes Reynolds Silveira e sua filha Maria Inês.

 

Tem uma filha:

---R-9.04.3.2.1.- Maria Inês Reynolds da Silveira Parreira.

 

--R-9.04.3.3.- António Reynolds Castel Branco nasceu em Lisboa a 12/05/71 e casou-se com Ana de Azevedo Coutinho em 30/01/2001

 

António Reynolds Castel Branco e a sua família.

António Reynolds foi Licenciado e Mestrado em Gestão pela Universidade de Lisboa, tem merecido atenções profissionais e pessoais de grande valia e ocupa cargos de muita responsabilidade na Banca Portuguesa e implicitamente na Banca Espanhola.

O casal tem quatro filhos:

---R-9.04.3.3.1.- Maria Madalena Azevedo Coutinho Estrela Vasconcelos, nascida a 01/01/1992.

 

Madalena tem um caracter laborioso e determinado e estuda Direito com distinção na Universidade de Lisboa.

 

---R-9.04.3.3.2.- António Maria de Azevedo Coutinho Castel Branco, nascido a 02/12/2000.

 

---R-9.04.3.3.3.- Maria da Piedade de Azevedo Coutinho Castel Branco, nascida a 29/10/2002.

 

---R-9.04.3.3.4.- Helena de Azevedo Coutinho Castel Branco, nascida a 22/02/2005.

 

António Maria, Maria da Piedade, Helena e Maria Madalena – três piratinhas de serviço e uma linda sobrinha.

 

 

 

--R-9.04.3.4.- André Filipe Reynolds Castel Branco da Silveira nasceu em 23 Dezembro 1979.

André foi licenciado em Ciência Politica e Relações Internacionais pela Universidade de Lisboa, efectuou o seu Mestrado em Macau e foi Doutorado pela Universidade de Cambridge.

Mantem estudos e trabalhos com Universidades Europeias e continua muito ligado à Universidade de Beijing (Pequim) e a outras instituições oficiais Chinesas.

Além do seu notável percurso académico, André Felipe possui conhecimentos amplos do idioma Mandarim que domina com fluidez próxima das línguas europeias.

São assinaláveis as dificuldades dos próprios chineses... com o Chinês! A escolaridade básica media é de cerca de dez anos - a mais.

Entre os naturais é reconhecida esta realidade, pelo que André desde logo suscitou admiração reverente.

Pelos seus méritos e competências, pelo seu caracter e genuína aptidão de congregar amigos a todos os níveis, André continua a ser particularmente apreciado e celebrado.

Recorda-se também, com um sorriso, um seu episodio juvenil, acontecido nos seus tempos académicos:

André era então o feliz possuidor de um fantástico automóvel de marca incerta, pequenino e aconchegado, adornado com algumas amolgadelas afim de quebrar a monotonia das formas e que quando trabalhava – o que nem sempre era garantido - emitia um ruido semelhante ao de uma maquina de costura.

O perfil técnico de tal maravilha mecânica completava-se com pneus carecas do tipo ancestral.

No inicio de um congresso que então se iniciava em Macau, pediram ao insigne automobilista que transportasse alguns congressistas.

Com a sua gentileza proverbial André "Aprontou-se", isto é, lançou um olhar de esperança à sua "Maquina" e arrancou com galhardia.

Repentinamente, a meio da "Viajem", ecoou um preocupante ruido de latas " Chocalhantes "– pior que um latoeiro zangado.

Consternação geral – o tubo de escape "Tinha falecido tragicamente"!

Então e perante a tal dita consternação, ouviu-se a voz do André, seráfico e tranquilo - "Calma, o que é necessário é manter a dignidade".

Receio que ainda hoje os congressistas não tenham conseguido parar de rir!

Foi enternecedora a relação de André com a sua adorada Abuela Mercedes, com quem viveu desde os 12 anos até ao termo da sua licenciatura.

Numa idade mais avançada André foi verdadeiramente o seu Neto/Filho extremoso, sempre preocupado e atento ao seu conforto e saúde.

Com André a sua Abuela dispunha ainda de um "Serviço de companhia atento ", de um "Jovem em prontidão permanente com raio de acção ilimitado", de um "Telefonista Quadrilingue ", de um "Procurador de farmácias 24 horas por dia", etc..

"Doutorou-se" também de forma brilhantíssima como "Medidor oficial da tensão arterial" e noutras praticas "Pro médicas " .... o que lhe valeu da família a distinção muito honrosa de "O paramédico"!!!....

 

 

André Filipe Reynolds Castel Branco da Silveira em Cambridge em 2011.

 

 

-R-9.04.4.- Albano Manuel Reynolds Pires Marques , nasceu a 08.02.1946, casou-se em Sintra Queluz em 17-04-1971 com Ana Maria de Oliveira dos Santos Marques, a qual faleceu a 13 de Junho de 2008.

Albano Manuel foi licenciado em Engenharia Química pelo IST – Instituto Superior Técnico de Lisboa.

Por imposição militar Albano Manuel foi reincorporado como oficial miliciano para serviço em Moçambique, razão pela qual teve que interromper a sua vida académica durante mais de três anos.

A primeira viagem marítima desde logo correu mal - o barco carregado com tropas e equipamentos sofreu uma violenta explosão – supostamente por sabotagem – o que obrigou a "Rapaziada" a permanecer no tombadilho grande parte da viagem, em corridas de "Bordo a Bordo" afim de compensar a inclinação do navio .

Quando finalmente chegaram a Moçambique recebeu de imediato guia de marcha para Furancungo!!!...

Importa referir que essa "Base" se situava nos confins do território, perto das fronteiras com a Tanzânia e Malawi, pelo que constituía zona de infiltração e actuação dos comandos terroristas da época.

Considerava-se também como "Perímetro" de defesa da Barragem de Caborabaça e instalações anexas, ao longo de KMS.

Foi portanto frente de guerra activa, frequentemente minada, emboscada e com bastantes ataques frontais.

Conforme era habitual naquele ambiente africano sobravam as moscas, a chuva, o calor e os terroristas e faltava quase tudo o resto.

Albano Manuel foi nomeado oficial corresponsável pela segurança da "Base" e pela manutenção do "Material" – viaturas e armamentos.

Essa circunstancia proporcionou-lhe cerca de quatro anos de vida "Emocionante", com saídas ao "Mato" para recolha da sucata e salvados resultantes das escaramuças, ao custo previsto de feridos e alguns mortos.

No fim da comissão a viagem de regresso a Portugal constava de duas etapas, sendo a primeira de comboio Furancungo -Tete e a segunda marítima Tete-Lisboa.

Ora durante o percurso ferroviário constou que teria havido um ataque com muitas baixas, e que o alferes Albano Manuel teria desaparecido e eventualmente falecido.

Celebraram-se solenes exéquias – o clima africano instituiu cerimonias rápidas.

Entretanto apareceu o ditoso "Defunto" com optimo aspecto , revigorado, sorridente e bem disposto.

Perdeu apenas uma subida aos Ceus "Low cost", que não o impediu de continuar a andar por aí.

Mediante algumas fotos que a seguir se incluem, torna-se curioso avaliar os "Passeios idílicos" de Albano Manuel, e a distinção vivida naquele "Meio social."

 

 

"Base" de Furancungo.

 

Abastecimentos de 1ª classe ............

A serra em frente é conhecida como o "Morro do Elefante".

 

 

Emboscada com minas e complementos. O motor desta viatura ... sumiu !!!

 

 

Patrulha de Vila Gamito a Furancungo.

 

Albano - 2013

 

 

 

Tiveram dois filhos:

--R-9.04.4.1.- Francisco Santos Marques Pires Marques.

 

Francisco

 

 

--R-9.04.4.2.- Bernardo Santos Marques Pires Marques

Bernardo foi licenciado em Gestão pela Universidade Católica de Lisboa.

 

Bernardo e sua Mulher.

 

 

-R-9.04.5.- Alberto Luís Reynolds Pires Marques casou-se com Isabel Gil Penha, falecida em Junho de 2009.

 

Agosto 2014

 

Tiveram dois filhos:

--R-9.04.5.1.- Afonso Gil Penha Pires Marques.

 

--R-9.04.5.2.- Rodrigo Gil Penha Pires Marques.

 

João, um neto de Alberto. Agosto 2014.

 

 

-R-9.04.6- Miguel Felipe Reynolds Pires Marques casou-se com Rita Maria Bonneville Cayolla em 18 de Junho de 1978.

 

Miguel Felipe

 

Durante cerca de vinte anos Miguel Felipe esteve integrado na ONU no departamento humanitário OIM, ao serviço do qual assumiu funções de elevada responsabilidade e risco pessoal.

Miguel actuou também como Representante Delegado da ONU/ OIM, como observador dos danos de guerra sofridos pelas populações afectadas, imediatamente após os combates - nem sempre totalmente extintos!!!

Isto permitia à Instituição proporcionar ajudas tão imediatas quanto possível com cuidados médicos, viveres, agasalhos, abrigos e ainda com eventuais contributos para situações diplomáticas, evacuações de emergência etc..

Esteve presente em vários cenários de guerra, particularmente em Africa e na Rússia.

Em consequência viveu acontecimentos rocambolescos:

Exemplo:

Na Chechénia foi aprisionado pelas tropas mercenárias ao serviço dos russos, as quais haviam acabado de travar um combate particularmente duro. ........ .com a tropa ainda em estado de choque, de olhos injectados a cuidar dos seus feridos e a contar os seus mortos, etc. etc.

Foram também aprisionados o motorista e o interprete, igualmente funcionários da ONU.!

Miguel foi imediatamente "Condenado" como "Espião" e assistiu à discussão selvagem sobre o seu eventual fuzilamento imediato. 

De nada lhe valeu o facto de a viatura na qual se deslocavam estar " Garrafalmente " identificada pela ONU e enfeitada com bandeiras e bandeirolas, nem a exibição das suas credenciais oficiais internacionais .

Acabou por encontrar-se fechado num tanque a deambular pelo teatro das operações, até que um oficial russo de carreira o resgatou "In extremis".

Miguel recorda que durante uns tempitos dormiu mal !!!.

 

 

Miguel numa das suas comissões na Chechénia – A devastação habitual.

 

Após a sua ultima Comissão em Africa, o colega e amigo que o substituiu foi morto numa emboscada nos primeiros quinze dias.

 

Rita, Miguel, Mercedes, Assunção e o "Assistente."

 

Família de Miguel Felipe Reynolds – Miguel, Rita (Noiva), Gonçalo (Noivo) Salvador, MÃE Rita e José Maria.

 

Tiveram três filhos:

--R-9.04.6.1.- Salvador Bonneville Pires Marques.

 

Salvador Bonneville Pires Marques

 

 

Salvador é Advogado licenciado pela Universidade Católica de Lisboa.

Actualmente (2012) trabalha num dos mais conceituados escritórios de Lisboa.

Estudou um ano na Grécia ao abrigo do programa "Erasmus".

Viviam então numa residência estudantil, que os imaginativos académicos rebatizaram conforme os costumes gregos.

Convém esclarecer que em muitas zonas da Grécia os correios locais reconhecem as direcções postais pelos nomes atribuídos às residências pelos respectivos moradores...

Ora aos "Distintos Intelectuais Lusos" só ocorreram os mais vernáculos palavrões portugueses.

Descongestionante para os "Sres Doutores" e cultural para os gregos!!!.....

Assim quando os pais do Salvador necessitaram recuperar bagagens perdidas no aeroporto, tiveram que soletrar, letra por letra e com a clareza possível, os impropérios do acima citado "Rebatizado".

Não foi lá muito elegante, mas foi bem divertido e entrou na história dos episódios juvenis.

 

Salvador e a sua orgulhosa Mãe Rita Maria.

 

Salvador Bonneville Pires Marques casou-se com Marta Pereira de Melo Mascarenhas Cutileiro a 19 de Janeiro de 2013.

 

Basílica de Santa Quitéria, situada na aldeia de Meca próximo de Alenquer.

 

 

Basílica de Santa Quitéria, construção do SEC XVIII, notável também pelos seus frescos.

Parte dos convidados assistentes.

 

Marta e Salvador na condição bem merecida de "Lindos Noivos"

 

Marta, a Noiva do Ano.

 

Em plena cerimonia.

 

Ampliação.

 

Cerimonia com cartilhas bem lidas...

 

Tudo adequadamente assinado com boa letra!........

 

Marta e Salvador garantidamente casados em 19/01/1913

 

Marta a ex-noiva lindíssima e super simpatiquíssima.

 

A imagem da Alegria.

 

Marta divertidíssima com a canção dedicada aos Ex Noivos.

 

A saída do Matrimonio em apoteose.

 

CONSIDERAÇÕES APLICAVEIS:

Basílica histórica magnifica, decorações de bom gosto apropriado , Noivos de porte admirável, Noiva lindíssima , Noivo feliz e encantado, Padre da maior simpatia e "Competência" e convidados muito devotos .

Salas e outros espaços festivos com decorações equilibradas, mesas com arranjos de delicado requinte, serviço excelente, menu refinado, convidados elegantes, alegres, saltitantes e muito barulhentos etc.

 

O PADRIARCADO

 

Rita Maria, Álvaro Escalante Reynolds e Mulher, Miguel Felipe e outros.

 

Os Patriarcas.

 

Os nossos queridos Escalante Reynolds.

 

Famílias Cayola Bonneville – Reynolds Pires Marques

Aldeia de Meca, Alenquer em 19/01/2013

Assunção Maria ao colo de sua Mãe Rita Maria, D. José Maria II, Pai/Avô Miguel Felipe, Maria Benedita, A Noiva mais encantadora do ano e respectivo Noivo, MÃE/ Avó Rita Maria, Maria Mercedes ao colo do seu Pai Gonçalo Maria.

 

Primos direitos do Salvador - matriz "Reynolds Pires Marques"

 

O casal tem uma filha encantadora:

---R-9.04.6.1.1.- Maria Benedita Madeira Rodrigues Pires Marques nascida a 22/09/2002.

 

Maria Benedita – uma deliciosa espertalhona.

Lisboa 2005

 

Maria Benedita.

Aldeia de Meca, Alenquer em 19/01/2013

 

 

--R-9.04.6.2.- Rita Maria Bonneville Pires Marques nascida a 28/11/1980 - A 14 de Junho de 2008, casou com Gonçalo Maria d'Aguiar de Lucena.

 

Casamento de Rita e Gonçalo em 14/06/2008

 

Os noivos Rita e Gonçalo.

 

 

"As testemunhas Ibéricas" Julian Cuellar Reynolds , Álvaro Reynolds Escalante e respectivas "Chefes"

Gonçalo Maria d'Aguiar de Lucena foi Licenciado em Medicina Veterinária e vivem em Inglaterra desde 2009

Em 2012 tinham duas encantadoras filhas, Maria das Mercedes e Assunção Maria

 

---R-9.04.6.2.1.- Maria das Mercedes Pires Marques de Lucena nascida a 13/Set/2009

 

Maria das Mercedes – importante sucessora da sua "Abuela"

 

 

---R-9.04.6.2.1.- Assunção Maria Pires Marques de Lucena nascida a 12/06/2011.

 

Maria das Mercedes e Assunção Maria .

 

 

--R-9.04.6.3.- José Maria Bonneville Pires Marques nascido a 22/09/2002.

 

Os irmãos D. José Maria II e Salvador.

 

Em Agosto do corrente ano de 2012 José Maria entrou na Universidade de Direito de Lisboa e para ele prevê-se também uma brilhante carreira académica,..... e eventualmente elegantes rebatizados domésticos à grega!!!

 

D. José Maria II

 

 

 

Nota: Agradezco mucho a Maria Mercedes Reynolds Castel Branco da Silveira (R-9.04.3.2) y a João Carlos Reynolds Pires Marques (R-9.04.1), su colaboración al enviarme datos y fotos.

 

Nota: Muito obrigado a Maria Mercedes Reynolds Castel Branco dá Silveira (R-9.04.3.2) y a João Carlos Reynolds Pires Marques (R-9.04.1), pela sua colaboração ao enviar-me dados e fotos.

 

 

Volver a Los 13 hermanos Reynolds de Miguel

Volver a Inicio